• Jornal Barcarena

Programa Travessia Barcarena promove geração de renda e capacitação de costureiras


Foto: Ascom FSH

Dezenas de moradoras de diferentes comunidades de Barcarena começaram a receber em novembro treinamento técnico para produção de máscaras faciais não médicas de proteção ao coronavírus.


A iniciativa tem o objetivo de apoiar na geração de renda para costureiras que tiveram suas atividades prejudicadas pela pandemia, contribuir para o desenvolvimento da economia local, além de colaborar com a prevenção ao coronavírus.



A iniciativa é realizada pelo Programa Todos pelo Trabalho, Alunorte e Albras, com apoio da Iniciativa Barcarena Sustentável (IBS). O projeto conta ainda com apoio financeiro do Fundo de Sustentabilidade Hydro (FSH) e PPA Solidariedade. A consultoria Synergia Socioambiental é responsável pela implementação dessa frente do projeto.


Como resultado das oficinas de corte costura e empreendedorismo, cerca de 120 profissionais de costura ligadas a associações locais produzirão aproximadamente 150 mil máscaras de proteção não médicas até junho de 2021.


Todo o material utilizado na confecção das unidades, como tecidos, aviamentos e embalagens, será disponibilizado pela iniciativa. Além da geração de renda às profissionais, que são remuneradas pela produção, todas as máscaras produzidas serão doadas para a associações comunitárias de Barcarena, em parceria com a IBS.



A ação faz parte do programa Travessia Barcarena, resultado da articulação do FSH junto a parceiros multidisciplinares para levar ajuda humanitária a famílias e organizações da região, priorizando a contratação de serviços e aquisição de produtos locais e proporcionado capacitação técnica para as comunidades. O programa conta com o investimento total de R$ 3,8 milhões.


“A Hydro se uniu a parceiros locais e internacionais em busca de soluções efetivas para as necessidades do município neste momento desafiador. Esta é uma ação voltada ao desenvolvimento sustentável de Barcarena e ao empoderamento e geração de renda para essas mulheres”, afirma Eduardo Figueiredo, diretor do FSH.


Durante o projeto, as participantes receberão orientação técnica em corte e costura, sobre as especificações e exigências para produção das máscaras não médicas, incluindo orientações com profissionais de saúde o enfrentamento da covid19. Além disso, serão ofertadas noções de empreendedorismo e negócios.


“A iniciativa está contribuindo para organização de uma rede de confecção e costura. Com ações integradas vai ser possível criar um cenário de empoderamento desses produtores”, ressalta Miriam Armelin, consultora de implantação da Synergia Socioambiental.



O programa de formação contará com módulos virtuais, em que os alunos aprenderão mais sobre o uso de ferramentas digitais para promover o diálogo entre os membros da cadeia produtiva e o acesso a informações.


Com isso, o curso fornece ferramentas para melhoria da produção local e ampliação do mercado de atuação, gerando o desenvolvimento contínuo de novos produtos e sustentabilidade dos negócios da região pós pandemia.


Angela Araújo, moradora de Vila Nova, mantém tradição familiar no trabalho em costura e vê na iniciativa a oportunidade de conquistar sua autonomia financeira. “Vi minha mãe sustentar a família com a costura e minha pretensão é me profissionalizar e ganhar o meu sustento. Quando entendi que a costura me possibilita trabalhar e cuidar do meu filho, ganhou força”, reforça Angela, que já participa dos primeiros módulos de treinamento do projeto.


Por Ascom FSH

105 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo