• Jornal Barcarena

Igreja de São João Batista completa 300 anos na Vila do Conde



Nesta quarta-feira, 24, dia de São João Batista, a igreja dedicada ao santo na Vila do Conde celebra 300 anos de fundação. A construção barroca veio de missão religiosa denominada “Mortiguara”, assentada desde 1653 na fronteira da baía do Marajó.



Segundo o livro “Barcarena: terra da gente – estudos regionais I”, os padres realizaram vários trabalhos de catequese com os índios. A missão chegou a ser chamada de “Arca de Noé” por abrigar tantos índios.



No final do século XVII, a missão Mortiguara estava entre as cinco mais populosas deste espaço do território amazônico. Sua importância também pode ser notada pelos religiosos que ali residiam, como o frei João Felippe Bettendorff e o padre Antônio Vieira.



A igreja é considerada marco zero da história barcarenense. Foi construída pelos negros e indígenas a mando dos padres jesuítas. Segundo o historiador Luiz Guimarães, o professor Leno, as carmelitas também tiveram influência na arquitetura do templo.



Em estilo colonial, semelhante ao da Igreja de Santo Alexandre, em Belém. A edificação apresenta curiosa história, quiçá única entre os templos atuais do Pará. Edificada com o frontão, originalmente voltado para o Rio Pará, foi posteriormente invertido para a posição que se encontra hoje, voltado para a praça.



Esta mudança foi feita em decorrência da posição do antigo altar-mor receber os fortes ventos vindos da baia do Marajó, o que não permitia que as velas permanecessem acesas durante a realização dos ofícios religiosos.


Foto: Ascom PMB

O Altar-Mór da Igreja de São João Batista, em estilo joanino, provavelmente do século XVII, um dos únicos do Pará e um dos poucos do Brasil, segundo parecer técnico do IPHAN. A análise de seus elementos arquitetônicos, realizada pelo IPHAN, constatou que a estrutura física da edificação apresenta elementos dos séculos XVII e XVIII.



Na igreja também ocorre a festividade de Bom Jesus dos Navegantes, reverenciado pelos católicos da localidade.



71 visualizações